Uma parente do homem suspeito de sequestrar a jovem Taina de Queiroz Mendes, de 18 anos, e a filha dela, Sofia Helena da Silva, de apenas 8 meses, afirmou ao G1 que Taina não está sendo ameaçada e que fugiu por vontade própria.

Desde 3 de novembro, Taina e a filha não são vistas pela família. O marido da jovem, Raul Kennedy da Silva, de 19 anos, registrou boletim de ocorrência de desaparecimento, mas suspeita que o ex-patrão, Luis Fernando Lourenço, tenha sequestrado as duas.

A Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sorocaba, responsável pela investigação, passou a tratar o caso como subtração de incapaz.

“Os vídeos são verdadeiros e ela foi por livre e espontânea vontade. Tanto ela quanto a bebê estão bem, e não estão sendo ameaçadas. O Luis entrou em contato comigo por um telefone e me contou toda a história. Eles iam voltar, mas por conta da repercussão e ameaçadas sofridas, estão com medo de aparecerem e mudaram o rumo. Ela está com medo de perder a guarda da bebê”, afirmou.

Luis Fernando Lourenço já tem passagens na polícia por estelionato — Foto: Arquivo Pessoal

Segundo a parente, que é de Jundiaí e prefere ter a identidade preservada, Luis e Taina não contaram onde estão.

“Conversei com a Taina e ela me disse que estava bem. Contou até detalhes do porquê saiu de casa e até coisas pessoais dela com o marido. Então, separamos provas de que foi isso realmente o que aconteceu. Além disso, o próprio cunhado que ajudou ela a sair de casa”, diz.

Durante a entrevista, a mulher ressaltou também que não consegue dormir e nem trabalhar devido ao sumiço dos dois, e espera que Luis e Taina voltem o quanto antes.

“Ele me ligou de um número privado e não sei onde estão. Se eu soubesse, ia buscá-los no mesmo momento, porque quero colocar um ponto final nessa história. O Luis precisa se apresentar à Justiça, resolver as pendências, e ela precisa resolver as coisas com a família. Até falei que se forem ficar juntos, eles podem construir a vida depois de tudo isso ficar acertado”, diz.

Suspeito envia fotos dele com Taina e a filha — Foto: Arquivo Pessoal

Sobre Luis ser foragido da Justiça e ter passagens por estelionato, a parente diz que não sabia. “Ele sempre foi uma pessoa bem humorada, não sabia mesmo e ele nunca se mostrou ser agressivo. Ele é engraçado, um palhaço.Fiquei bem surpresa quando soube”, ressalta.

Ainda de acordo com a parente, o desejo é que a história termine o quanto antes.

“Não estou tirando o erro dele. Acho que as atitudes deles foram erradas e acredito que ele deve pagar isso na Justiça. Só que no caso da Taina, não é verdade de que ele esteja a ameaçando. Por onde eles passaram, as pessoas iam denunciar se vissem algo estranho. Mas para nós ajudarmos, ele precisa aparecer. Não vejo a hora de terminar tudo isso.”

Sumiço

Jovem de 18 anos e filha de oito meses desapareceram em Pilar do Sul — Foto: Reprodução/Facebook

Ao G1, o marido da jovem conta que viajou a trabalho para Castilho (SP) e, quando retornou para casa, não encontrou mais a esposa e a filha. Ele acredita que as duas tenham sido levadas pelo ex-patrão dele em uma empresa de Sorocaba (SP).

Raul ainda afirma que conheceu o ex-patrão, Luis Fernando Lourenço, há quatro meses, em Sorocaba. Ele se apresentou como cantor e empresário e ofereceu emprego para o rapaz entregar outdoor em cidades do interior de São Paulo.

“Ele levou a gente em shows e se mostrava uma pessoa que tinha conhecimento, importante. Nunca tive problema com ele, mas é um cara invejoso e não aceitava ver a gente feliz. Não sei por qual motivo está fazendo isso comigo”, diz.

Raul com a filha Sofia e a esposa Taina de Queiroz Mendes — Foto: Arquivo Pessoal/Raul Kennedy da Silva

Vídeos

De acordo com Raul, os vídeos foram encaminhados por Luis Fernando para ele e parentes logo após o desaparecimento da esposa e filha.

Policiais civis de Pilar do Sul ligaram para Luis no número usado por ele para enviar as mensagens. O suspeito disse que as duas estavam bem, mas não contou onde estavam. Depois, policiais e familiares não conseguiram mais contato.

Nas imagens (Veja acima) é possível ver Taina deitada em uma cama ao lado da filha. O homem que filma é o suspeito. Ele faz questionamentos e Taina responde. Segundo o delegado Acácio Leite, os vídeos não foram encaminhados para a Polícia Civil.

Parentes da jovem acreditam que ela apresentou sinais de que está sendo ameaçada nos vídeos enviados à família.

Em entrevista ao G1, a prima de Raul, Aline Trindade, afirma que nas imagens do vídeo Taina está abatida, magra e faz sinais de nervosismo com as mãos e olha para o lado.

“Eu considero ela como minha prima e a conheço. Acho muito estranho tudo o que está acontecendo. Nos vídeos ela aparece com a mesma blusa, muito magra e tem um roxo no braço. Ela olha para o lado como se tivesse outra pessoa e faz sinais quando está nervosa”, aponta a prima.

Taina de Queiroz Mendes e filha de 8 meses estão sumidas há mais de 20 dias — Foto: Arquivo Pessoal/Raul Kennedy da Silva

Investigação

De acordo com delegado Acácio Leite, Raul foi ouvido na terça-feira (27) e outros familiares serão ouvidos nos próximos dias, como o pai de Taina. O boletim foi retificado para subtração de incapaz.

“A partir das entrevistas com o pai e os vídeos que temos a gente entende que podemos ter uma subtração de incapaz. Nos vídeos mostra que ela está bem, sorrindo e em situação tranquila. Então, o desaparecimento cai por terra e já que temos a menina que pode te sido levada induzida por um erro por conta desse indivíduo, que é procurado pela Justiça. Por conta da criança, da gravidade envolvendo a menor, vamos retificar o BO”, ressaltou.

Ainda segundo Acácio, outros familiares serão ouvidos nos próximos dias para continuar com as investigações. Até o momento, a Polícia Civil não trabalhará com a hipótese de sequestro.

“Conversamos com o marido, mas serão ouvidas outras testemunhas em Pilar do Sul para agregar com as investigações. Não vamos trabalhar ainda com a hipótese de sequestro porque não há pedido de resgate e não há elementos que mostrem o cárcere privado”, diz Acácio.

Ameaça

Luis Fernando Lourenço é considerado foragido da Justiça por estelionato — Foto: Arquivo Pessoal

A ex-companheira do homem suspeito de sequestrar a jovem Taina afirmou ao G1 que já registrou boletim de ocorrência contra ele por ameaça.

“Conheci o Luis em janeiro deste ano, em Jundiaí, e ficamos juntos por três meses. No início, ele conseguiu me iludir, se apresentou como empresário e conquistou a todos”, afirmou a jovem, que prefere ter a identidade preservada.

“Fomos morar em Araraquara, mas lá ele passou a ser agressivo. Ele vivia me ameaçando e não deixava eu falar direito com a minha família”, ressaltou.

Ex-companheira anexou no registro do boletim de ocorrência as ameaças feitas por Luis Fernando pelo celular — Foto: Arquivo Pessoal
Minas Hoje

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui